Nefrologia

Navegar

Submissões Recentes

Agora exibindo 1 - 5 de 11
  • Item
    Perfil clínico epidemiológico dos pacientes com diagnóstico de lesão renal aguda em hospital de referência no estado do Pará
    (2013) NUNES, Ivellyn Pereira; DUARTE, Ana Cristina de Lima Figueredo
    INTRODUÇÃO: a Lesão Renal Aguda (LRA) se caracteriza por uma rápida queda do ritmo de filtração glomerular, podendo ser acompanhada de retenção de produtos nitrogenados e distúrbios hidroeletrolíticos. OBJETIVO: avaliar o perfil clínico e epidemiológico dos pacientes com diagnóstico de LRA em hospital de referência no Estado do Pará. MATERIAL E MÉTODOS: o perfil da pesquisa é transversal, retrospectivo, o qual foi feito revisão de prontuário dos pacientes no período de janeiro de 2010 a dezembro de 2010. RESULTADOS: observou-se média de idade de 61,8 anos, com predomínio do sexo masculino (64,8%). A principal causa de LRA foi pré-renal (85,9%); a sepse com 44,4% e o choque cardiogênico com foram as patologias relacionadas à causa pré-renal. A classificação diagnóstica AKIN I foi a mais frequente entre os pesquisados com 46,9%. A diálise foi necessária em 45,1 % dos pacientes e 44,6% dos pesquisados evoluíram a óbito. CONCLUSÃO: o hospital cm questão é referência cardiológica, o que pode justificar o cardiogênico como principal causa de LRA. A maioria dos pacientes estavam no estágio AKIN I no momento da avaliação e falar a favor de uma chamada precoce deste especialista que pode explicar a significativa recuperação da função renal entre os pacientes pesquisados; contudo, esta avalição precoce não modificou a mortalidade, já que está foi alta entre os analisados.
  • Item
    Estado nutricional e sua correlação clínica de pacientes com doença renal crônica dialítica de um programa de hemodiálise hospitalar em Belém do Pará
    (2018) CUNHA, Larissa Cristina de Sousa; RAMOS, Márcio Felipe do Nascimento; PANTOJA, Kelly Sousa
    Estabelecer o diagnóstico nutricional dos pacientes renais crônicos bem como sua relação com as características clínicas e sociodemográficas dessa população. Método: Trata-se de um estudo analítico-descritivo e transversal onde foram avaliados 43 pacientes renais crônicos do programa de hemodiálise ambulatorial de um hospital em Belém do Pará em outubro de 2015. Após autorização do paciente com a assinatura do termo de consentimento livre e esclarecido, avaliou-se o prontuário, aplicou-se questionário e realizou-se exame físico para obtenção das informações sócio demográficas, clínicas e antropométricas, bem como aplicou-se a MIS ( Malnutrition Inflammation Score). Após a obtenção dos dados dividiu-se a amostra em dois grupos de acordo com a MIS sendo considerado desnutrido aqueles que obtinham a MIS maior ou igual a 8. Resultados: Entre os pacientes 46,5% (n=20) eram do sexo feminino e 53,5% (n=23). Quanto à faixa etária, a maioria pertencia ao grupo de idosos (com 60 anos ou mais) 53,5% (n=23). O diabetes mellitus predominou como a principal etiologia da DRC com frequência de 53,5% (n=23). Diagnosticou-se desnutrição de acordo com a MIS EM 18,6% dos pacientes, 100% dos desnutridos tinham > 60 anos, 37,5% tinham entre 3-4 anos de escolaridade e 50% deles tinham entre 3-5 anos de tempo de diálise. Conclusão: A desnutrição está relacionada a desfechos desfavoráveis como maior número de internações. Logo, a preocupação com a avaliação nutricional dos pacientes e a adoção de critérios diagnósticos validados e que possuam sensibilidade adequada torna-se fundamental para implementação de medidas terapêuticas de forma precoce. Devendo-se ter especial atenção ao estado nutricional dos idosos, grupo que revelou a prevalência de desnutrição.
  • Item
    Doença hepática gordurosa não-alcoólica: aspectos clínicos e diagnósticos
    (2014) ARAÚJO, Mirley Castro de; TAVARES, Núbia Cristina da Silva; TRINDADE, Ana Carolina de Souza
    A doença Hepática Gordurosa Não-Alcoólica (DHGNA) é uma síndrome clínico-patológica que varia de esteatose a esteatohepatite, fibrose ou cirrose. A prevalência mundial da DHGNA ainda não foi ao certo estabelecida, porém, estima-se que haja um percentual de 10,24% em inúmeras populações. Dessa forma, o presente trabalho objetiva traçar o perfil epidemiológico, clínico-laboratorial e imagenológico dos pacientes portadores de DHGNA atendidos pelo ambulatório de Gastroenterologia/Hepatologia da Fundação Hospital de Clínicas Gaspar Viana (FHCGV). Para isso, foram analisados dados de 66 pacientes com diagnóstico clínico-laboratorial e imagenológico de DHGNA, no período compreendido entre Janeiro de 2013 e novembro de 2013, sem consumo de álcool, com elevação das enzimas hepáticas e que possuíssem ultrassonografia suspeita. A coleta dos dados foi realizada através da análise de prontuários médicos e realização de entrevistas com os pacientes selecionados para o estudo. Como resultados obtidos, observa-se que 53% dos pacientes são obesos e 51,5%, portadores de Hipertrigliceridemia. A maioria não é diabética (78,8%), nem apresenta Hipertensão Arterial (71,2%) ou Hipertrigliceridemia (51,5%). Dentre as alterações ultrassonográficas, observa-se que 48,5% são portadores de Esteatose Hepática Grau II. Sendo assim, o estudo conclui que a casuística avaliada é, em sua maioria, obesa e hipercolesterolemia; as demais doenças metabólicas analisadas não tiveram associação com a DHGNA. Além disso, 61,3% apresentam Resistência Insulínica e 89,4% tem o índice AST/ALT < 1; os índices HAIR e BAAT foram positivos em 62% e 78,8% dos pacientes, respectivamente. No que diz respeito ao perfil epidemiológico e imanegenológico, a maioria dos pacientes pertence ao sexo feminino, enquadra-se na faixa etária de 31 a 45 anos e é portadora de esteatose hepática moderada.
  • Item
    Nível de informação sobre os fatores de risco relacionados a progressão da doença renal crônica dos pacientes em hemodiálise no FHCGV
    (2016) MIRANDA, Camila Beatrice Pereira Miranda; SOUZA, Samile Yared de; BEZERRA, Layne Picanço
    Fundamento: A doença renal crônica (DRC) é, atualmente, considerada um problema de saúde pública mundial. No Brasil, a incidência e a prevalência de falência funcional renal estão aumentando, o prognóstico ainda é ruim e os custos do tratamento da doença são altíssimos. Objetivos: Identificar o nível de conhecimento dos portadores de doença renal crônica sobre os fatores de risco que levam a progressão da mesma e orientar medidas futuras que possam reduzir o número de pacientes em hemodiálise através da divulgação e esclarecimento dos fatores de risco que levam a progressão da doença renal crônica. Métodos: Trata-se de um estudo prospectivo, descritivo e qualitativo com resultados baseados em coleta de dados através de protocolo próprio realizada na Fundação Hospital de Clínicas Gaspar Vianna. Utilizado a amostra de 60 pacientes com doença renal crônica que realizam sessões de hemodiálise no FHCGV. Resultados: A de falta de conhecimento se mostrou maior em relação ao tabagismo onde 87% da amostra negou saber sobre esse fator de risco. Além disso, 68% dos hipertensos e 77% dos diabéticos não mantinham sua doença de base controlada. E apenas 40% da amostra sabia da importância de manter controlada hipertensão e diabetes. Conclusões: O nível de conhecimento dos pacientes sobre os fatores de risco que levam a progressão da doença renal é baixo. Os dados funcionam como forma de subsidiar decisões para melhorar a assistência e orientação aos pacientes sobre a doença renal crônica e sobre os fatores que aceleram a perda da função renal, afim de retardar a necessidade de hemodiálise. É de grande importância a criação e manutenção de um sistema nacional de informações com registros de dados epidemiológicos desses pacientes para melhor prevenção da Doença renal crônica estágio 5.
  • Item
    Avaliação do perfil sorológico e vacinal para hepatite B em pacientes portadores de doença renal crônica estágio V, dialíticos, em um centro de hemodiálise de Belém, Pará
    (2017) VIANNA JÚNIOR, Wellington Teixeira; BORGES, Charles Moreira
    INTRODUÇÃO: No Brasil, aponta-se para aproximadamente dois milhões de portadores crônicos de hepatite B. OBJETIVOS: Avaliar o perfil sorológico e vacinal para hepatite B em pacientes com doença renal crônica (DRC) estágio V, em hemodiálise na Clínica de Hemodiálise Monteiro Leite (CHML), Belém-PA, no ano de 2015; determinar o percentual de pacientes com imunização passiva para hepatite B; correlacionar o tempo de diálise com percentual de imunização vacinal para hepatite B e avaliar taxa de soroconversão vacinal. MÉTODOS: Foram analisados os perfis sorológicos e vacinais através da revisão de prontuários de 113 pacientes em hemodiálise na CHML, em Belém-PA. Foram incluídos pacientes em diálise no intervalo de janeiro a dezembro de 2015, com idade mínima de 18 anos. Foram excluídos pacientes que não estavam em diálise no período delineado, que se recusaram a participar e que apresentavam prontuários sem dados suficientes para avaliação. RESULTADOS: Dos 113 pacientes, 65 eram do gênero masculino; a maioria com idade de 55 a 65 anos (29,2%), 103 estavam em diálise há no máximo 5 anos. A doença de base mais comum foi hipertensão arterial sistêmica (30,97%); 80 pacientes estavam em uso de eritropoietina; a taxa de soroconversão vacinal foi de 21,42%; 49,56% tinham anti-HBs negativo em janeiro de 2015. CONCLUSÃO: É ainda elevado o percentual de pacientes em hemodiálise não imunizados contra hepatite B. Este estudo poderá auxiliar a instituição de medidas locais para melhor vigilância e abordagem vacinal dos pacientes com doença renal crônica em hemodiálise.