Psiquiatria

Navegar

Submissões Recentes

Agora exibindo 1 - 5 de 8
  • Item
    Perfil dos pacientes com diagnóstico de depressão maior atendidos no ambulatório de psiquiatria da residência médica da FHCGV: período 01/03/05 a 01/09/06
    (2008) SILVA, Camila Costa; AVANCINI, Louize Ghidetti; C. Júnior, Marcos Superbo da S.; LEÃO, Paulo Delgado
    Depressão é uma patologia classificada entre os transtornos de humor, apresentando alta e crescente prevalência na população geral. Dada a importância dessa patologia e a necessidade de seu correto diagnóstico e tratamento, o objetivo deste trabalho foi traçar o perfil dos pacientes diagnosticados com depressão maior unipolar, segundo o critério da CID-10, atendidos no ambulatório de psiquiatria da FHCGV. Foram avaliados longitudinal e retrospectivamente dados obtidos através da pesquisa em prontuários hospitalares de 158 pacientes atendidos no período de março de 2005 a setembro de 2006. Verificou-se que a depressão maior no ambulatório de psiquiatria da residência médica foi mais prevalente em mulheres, entre os 30 e 50 anos, casadas, com predominância de episódios moderados. O tratamento utilizado com maior frequência foi com tricíclicos, necessitando de troca em 34% dos pacientes, tendo como principal motivo o surgimento de efeitos colaterais. A maioria dos pacientes não realizou psicoterapia. Mais da metade dos pacientes abandonou o tratamento.
  • Item
    Síndrome de Burnout em profissionais de saúde mental em um hospital público de Belém-PA
    (2010) TRAJANO, Cínthia Taís do Socorro Baia; TEIXEIRA, Efrahim José de Vasconcelos; SOUZA, Rita de Cassia Farias; AVANCINI, Louize Ghidetti
    A Síndrome de Burnout (SB) tem sido considerada um problema social de extrema relevância e vem sendo estudada em vários países. Burnout em profissionais da área da saúde é uma questão já consolidada em diferentes estudos e se constitui de três dimensões: Exaustão Emocional, caracterizada pelo sentimento de estar exausto em virtude das exigências do trabalho; Despersonalização, entendida como o desenvolvimento de uma atitude clínica e distanciada com relação ao paciente; e baixa Realização Profissional, caracterizada pela insatisfação com o trabalho. O estudo foi realizado com uma amostra de 71 profissionais de saúde mental da Fundação Pública Estadual Hospital de Clínicas Gaspar Vianna. O instrumento respondido foi o Maslach Burnout Inventory - Human Service Survey (MBI-HSS,1986) adaptado para trabalhadores da área de saúde. Foi verificada a Síndrome de Burnout em 2,81% da amostra segundo critérios de Ramirez e 59,2% segundo Grunfeld. Ao se analisar cada uma destas dimensões separadamente, foi constatado 67,6% dos profissionais pesquisados com Exaustão Emocional em níveis Médio/Alto, 39,4% com Despersonalização em níveis similares e 45,07% com níveis de Realização Profissional Médio/Baixo.
  • Item
    Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade: um estudo em um colégio da rede privada de ensino através da Escala de Conners
    (2011) MORAIS, Bruno Luz; NOGUEIRA, Fernando Mendes; VENCELAU, Janey Melo
    O Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) tem sido objeto de inúmeras investigações no campo da psicopatologia infantil. O TDAH é, juntamente com o Transtorno Desafiador Opositivo e o Transtorno de Conduta, um dos três transtornos psiquiátricos mais comuns no dia-a-dia de profissionais que atendem crianças e adolescentes. O diagnóstico do TDAH é clínico, realizado através de entrevistas, observação clínica e avaliação cognitiva, complementadas com questionários e escalas de classificação direcionados a vários informantes, geralmente pais e professores. O objetivo do estudo foi determinar as relações existentes entre as avaliações que dão os pais e professores acerca das condutas das crianças através do questionário de Conners para pais e professores. Os alunos participantes foram selecionados de acordo com a disponibilidade da comunidade educativa. Do total de participante, 64% foram do sexo masculino, na faixa etária de 6 a 11 anos de idade (n= 7, 8, 3, 6, 6, 1) e da 1° a 5° série (n= 10, 2, 8,12, 1). Neste estudo, apesar de não terem sido observadas diferenças significativas entre as médias dos escores do fator hiperatividade nas avaliações dos professores e pais e segundo o sexo, percebe-se um tendência dos professores qualificarem mais a hiperatividade do que os pais e uma tendência dos indivíduos do sexo masculino apresentarem uma pontuação maior do fator hiperatividade do que o sexo feminino, as quais são observadas nos valores máximos das somas dos escores para os dois tipos de questionário. No entanto, são resultados limitados, estudos futuros são necessários, envolvendo uma população maior e com componente clínico.
  • Item
    Estudo bibliográfico dos fatores que influenciam a não adesão ao tratamento em portadores de transtorno afetivo bipolar
    (2012) SOARES, Valéria Vieira; DIAS, Helena Melo
    Este trabalho tem por objetivo revisar estudos clínicos que tratam do Transtorno Afetivo Bipolar (TAB), a fim de identificar os principais fatores que contribuem para a não adesão ao tratamento em pacientes bipolares, bem como, identificar propostas e sugestões que possam minimizar este problema. A metodologia empregada fundamenta-se nas bases de dados Scielo e BIREME, utilizando-se os seguintes termos de busca; “Bipolar”, “Adesão”, “Não Adesão”. Foram selecionados 20 trabalhos que estivessem relacionados ao tema não adesão ao tratamento em pacientes bipolares, referentes ao período de 2004 a 2011. Na análise dos dados obtidos, os fatores determinantes da não adesão ao tratamento foram agrupados em três categorias: uma referente à terapia medicamentosa; outra, em relação às características próprias do paciente, sua história de vida e personalidade, sua dinâmica familiar e inserção cultural; e outra, relacionada à instituição, ao psiquiatra e à equipe multiprofissional engajada. Conclui-se que a não adesão faz parte do transcorrer do tratamento da bipolaridade variando entre os serviços, mas não é exclusividade desta, pois, em geral, outras doenças clínicas de caráter crônico também cursam com variados graus de não adesão. Por isso a equipe não tem que se sentir frustrada ante a não adesão ou às recidivas, pois são parte do curso da doença sendo importante que a equipe esteja disponível e acessível ao paciente para tirar dúvidas e discutir seu tratamento. Considera-se que o TAB é um problema biopsicossocial e requer intervenções frequentes, multidisciplinares na perspectiva de uma psicoeducação, como elemento chave da melhor adesão ao tratamento.
  • Item
    Fatores preditores das reinternações psiquiátricas na Fundação Hospital de Clínicas Gaspar Vianna, de janeiro de 2009 a dezembro de 2010
    (2012) COSTA, Igor Meireles; SILVA, Raiany Souza da; OLIVEIRA, Kleber Roberto da Silva Gonçalves de
    A moderna prática médica apresenta uma forte tendência em evitar a hospitalização do doente mental. Entretanto é flagrante a enorme incidência de reinternações na área da psiquiatria. Apesar de todo avanço dos conhecimentos técnicos observados na área da psicofarmacologia, neurociência e comportamento. Com o objetivo de analisar os fatores preditores das reinternações psiquiátricas, foi desenvolvido este estudo documental retrospectivo, tendo como fonte de dados os prontuários dos pacientes internados na clínica psiquiátrica da Fundação Hospital de Clínicas Gaspar Vianna, durante o período de janeiro de janeiro de 2009 à dezembro de 2010. A amostra constitui-se de 74 pacientes que apresentaram no mínimo três internações. Foram avaliados: sexo, idade, cor, religião, estado civil, procedência, patologia psíquica, queixa principal, escolaridade, com quem reside, permanência hospitalar, fármaco utilizados e número de internações. Nos resultados não foram observados diferenças significativas entre os sexos, feminino 51,4% e masculino 48,6% em relação ao global das internações, porém quando avaliados de acordo com a patologia observamos predominância do sexo feminino 64,3% no Transtorno Afetivo Bipolar e do sexo masculino 55% na Esquizofrenia. Identificou-se uma prevalência na faixa etária entre 21-40 anos, representando 63,5% dos pacientes. A maior parte da população estudada era composta por solteiros, correspondendo à 74,3% da amostra. A maioria dos pacientes eram provenientes de Belém, 52,7%. As queixas principais mais freqüentes foram heteroagressividade e agitação psicomotora, respectivamente 79,7% e 66,2%. Apenas 6,9% tinham o ensino médio completo ou alguma escolaridade acima deste. Cerca de 82,4% dos pacientes residem com familiares. Foi verificado uma média de 48,7 dias na permanência hospitalar. A principal patologia responsável pela internação foi a Esquizofrenia com 54,05%. O estudo desenvolvido servirá de base para futuras pesquisas comparativas em outros centros e com isso, subsídio para minorizar o sofrimento do paciente com transtorno mental. Sendo inquestionável sua contribuição técnica, ética e moral, para comunidade científica e sociedade em geral.